Abas primárias

Espetáculo MÃE

Teatro - São Paulo, SP
kicks
Arrecadados da meta de R$3.000,00
Encerrado!
Campanha flexível

Esta campanha recebeu todos os fundos arrecadados até 27/07/2018.

Recompensas

  • R$10,00

    Gratidão
    Todos os doadores serão citados nos agradecimentos dos materiais oficiais do trabalho produzidos após a doação, como site, vídeos e etc.
    2 pessoas kickaram.
    Entrega estimada em 25/08/2018

  • R$20,00

    Gratidão + Foto
    Se desejar poderá tirar uma foto (apenas) no dia do espetáculo e aparecerá em um mural virtual de agradecimentos além dos outros registros.
    8 pessoas kickaram.
    Entrega estimada em 31/08/2018

  • R$45,00

    Gratidão + Palestra: Processos Criativos e Empreendedorismo
    Poderá participar de uma palestra descontraída com o ator e outros doadores, sobre arte, empreendedorismo artístico, processo criativo, experiências de autoconhecimento e etc. Cada palestra será agendada em locais públicos em São Paulo, cada vez que atingir o número mínimo de 10 doadores, de acordo com a disponibilidade do ator. A participação é condicionada a disponibilização dos dados do doador e à sua vinda até o local, divulgado previamente somente aos doadores desta faixa de doações.
    5 pessoas kickaram.
    Entrega estimada em 31/08/2018

  • R$60,00

    Gratidão + Aula de EXPRESSÃO Corporal
    A aula é tanto para quem já conhece teatro e dança como para quem nunca fez! Será agendada em equipamentos públicos (provavelmente algum CEU) a cada vez que atingir o número mínimo de 10 doadores, de acordo com a disponibilidade do ator e do local (data a ser agendada). Duração mínima de 3 horas e oferecerá um contato inicial dos participantes com alguns estudos que embasam o espetáculo. Condicionada a disponibilização dos dados do doador e à sua vinda até o local, divulgado previamente.
    3 pessoas kickaram.
    Restam 17 kicks.
    Entrega estimada em 25/08/2018

  • R$80,00

    Gratidão + Aula de Teatro com Criação de Cena Individual
    Tanto para quem já conhece teatro e dança como para quem nunca fez! Uma aula com o intuito de levantar material criativo e experimentar uma cena curta individual. Será agendada em equipamentos públicos (provavelmente algum CEU) a cada vez que atingir o número mínimo de 10 doadores, de acordo com a disponibilidade do ator e do local (data a ser agendada). Com duração mínima de 4 horas. Condicionada a disponibilização dos dados do doador e à sua vinda até o local, divulgado previamente.
    Restam 20 kicks.
    Entrega estimada em 15/09/2018

  • R$145,00

    Gratidão + Vídeo comigo no Youtube! (a agendar)
    Você poderá propor um tema/lugar para gravarmos um vídeo juntos para o meu canal Outras Latitudes no Youtube. Uma oportunidade para nos conhecermos ou nos revermos! Quem sabe você se anima para lançar o seu canal! Será no mínimo, uma diversão... Me esforçarei para atender a sua 1ª sugestão, porém depende da viabilidade e da minha disponibilidade, agenda e etc. Aqueles que se interessarem em receber a recompensa, deverão enviar 3 opções de propostas, em seguida a sua doação com os seus dados!
    Uma pessoa kickou.
    Ainda resta um kick!
    Entrega estimada em 22/09/2018

  • R$200,00

    Gratidão + Desenho a Mão ou Outra Arte
    Você é um Apoiador VIP! Eu gostaria de te recompensar com um desenho a mão feito por mim. Os desenhos que eu faço desde criança fazem parte do Processo do espetáculo Mãe e são um vínculo que eu considero precioso. Não sou desenhista profissional, mas será feito com muito amor e dedicação. Você precisa me enviar uma boa foto de rosto, se preferir, poderá escolher algum dos meus objetos artístico que estarão disponíveis no meu site. Como ímãs, fotografias autorais impressas e etc., vamos combinar!
    Restam 5 kicks.
    Entrega estimada em 24/11/2018

Me chamo Roni Diniz, tenho 32 anos, (DRT 0041598-SP) sou ator e intérprete-criador em dança contemporânea, fotógrafo e designer gráfico. Sou artista independente, trabalhador da cultura atuante na cena paulistana. Sou microempreendedor individual, adepto do voluntariado e conectado a vários coletivos e artistas independentes de São Paulo. Me formei no curso Técnico em Arte Dramática pelo SENAC em 2014 e Bacharel em Comunicação Social – Publicidade (2008-11, Estácio UniRadial-SP).  Sou um dos fundadores do Coletivo Provisório de Dança Contemporânea contemplado com o Edital VAI 2013 através da pesquisa cênica “Facebunda”. Conclui em 2014 o curso Técnico em Arte Dramática no Senac Santana, onde me uni a outros três atores e fundamos o Núcleo Teatral Simbiótico com a peça #SomosTodosOtelo, processo e temporada em 2015, também custeada com financiamento coletivo.

Em 2015, conheci e me encantei com o que entendo como "verdade e a vida" contidas na Arte Performance diretamente com a Marina Abramovic, expoente mundial da Art Performance, além deste estudo, a partir de 2016, também uni aos meus experimentos artísticos, os insights de autoconhecimento e expansão de consciência, às questões de gênero numa esfera mais sutil e energética que transcende a sexualidade, nem sei se eu poderia dizer "gêneros", ou rótulos (prefiro Yin-Yang), aos quais eu já buscava tratar nos meus trabalhos de forma intuitiva. Empreendi uma pesquisa de forma independente com o apoio pontual de alguns artistas, voltada à prática em performance com experimentos autorais de “Dança-Performance”. As intervenções urbanas “Permeável” ao longo da avenida Paulista, com meditação em pleno horário de pico e um corpo que se prontifica a se abrir para ouvir e "dançar" a música da vida, sem julgamentos, em contraste com os corações asfaltados e sentidos impermeabilizados que o ambiente urbano nos demanda como forma de "sobrevivência". Em 2017, desdobrei os experimentos performáticos em novas intervenções que seguiam a mesma linha. Participei do Laboatório de Criações Atorais no Projeto “Eu, Você, Nós: como criar juntos?” projeto da UNESP para treinamento de atores criadores coordenado pela Prof. Dra. Lucia Romano, além de integrar uma residência com aulas semanais de treinamento em dança com a Cia Diversidança aqui da Zona Sul aonde eu resido.

Atualmente sou Ator criador participante do Núcleo de Pesquisa da Cia. Biográfica, além de encontros voltados a outras diálogos em torno do Teatro Ritualístico e Imersivo. Sigo na linha da arte performance, com intervenções urbanas e experimentos cênicos esporádicos do espetáculo MÃE. Este trabalho nasceu em 2016, a partir de um olhar que eu considero mais consciente e maduro sobre os meus próprios desenhos produzidos espontaneamente desde criança, nos quais passei a notar a imagem recorrente da mulher em situações de abuso. Este processo me levou a tentar compreender informações do meu subconsciente ou do inconsciente coletivo que absorvi desde criança (sou pernambucano, um local, no qual, percebo a cultura muito mais naturalizada ainda no machismo e no abuso às mulheres) e me a aprofundei numa compreensão não-linear e sem julgamentos do universo feminino e da energia Yin, os abusos atrelados, presentes também no homem, muitas vezes podado de demontrar suas emoções e vulnerabilidades, sob estigma de manifestar uma pose artificial super cultuada de "macho alpha" como permuta por pseudo aceitação social, que muitas vezes se apoia na cultura de estupro, na homofobia e na misogenia como um ciclo cruel e vicioso. Quem sabe se o homem moderno redescobrisse o seu papel social e rearmonizasse seu lado Yin - tudo que é tido como "feminino" -, ele não seria naturalmente compelido a uma nova postura de respeito às mulheres, como se estivesse tocando em seu próprio corpo (ou esta parte de si) e este corpo fosse agora finalmente amado e honrado?

"A influência mais acentuada do complexo materno não solucionado, no homem, é a dificuldade que este encontra em relacionar-se com sua anima. A anima é o arquétipo do relacionamento interno, ou seja, é responsável pelo contato do ego com o mundo interno e a qualidade deste contato determinará qual vai ser a qualidade do relacionamento do homem com o mundo externo, com as outras pessoas (...) É também, o arquétipo que representa o lado feminino no homem mas sua a principal função, segundo Jung, é a de instrumentar o homem, quando reconhecida, para seu autoconhecimento conduzindo-o no seu inconsciente, promovendo a relação entre seu ego e seu mundo interno. Portanto, o reconhecimento da anima é um fator decisivo do processo de individuação.

(...)

A anima é aquilo que o homem desconhece nele mesmo, se o que ele conhece é seu ego masculino o que desconhece é sua anima, seu feminino, Jung expressa-se, quanto a este aspecto, da seguinte maneira: “O que não é eu, isto é, masculino, é provavelmente feminino; como o não-eu é sentido como não pertencente ao eu, e por isso está fora do eu, a imagem da anima é geralmente projetada em mulheres.”"

Fonte: Artigo O Complexo Materno Não Resolvido, No Homem, Causa Dificuldade No Relacionamento Com Sua Anima Por Vanilde Gerolim Portillo (http://www.portaldapsique.com.br)

PESQUISA

A pesquisa foi transpassando por questões diretamente das mulheres, em torno de assuntos delicados como o estupro e a maternidade e outras mutilações metafóricas rumo ao arquétipo maior de mãe: nosso planeta, faço uso de poemas autorais e de trechos de O Canto das Mulheres do Asfalto do Carlos Canhameiro e a Ciranda das Mulheres Sábias da Clarissa Pinkola Estés, autora do famoso Mulheres que Correm com os Lobos. Acredito humildemente que eu não poderia dissertar eficazmente muito mais sobre isso do que o que fala o corpo em cena, fala além até do que a figura de um homem experimentando estes assuntos em cena de coração e alma expostos, o corpo chega até onde as palavras não alcançam. Curiosamente, cada vez mais eu percebo que quanto mais mergulhamos em nosso interior, mais dissolvemos as barreiras e nos aproximamos verdadeiramente uns dos outros na essência, aprendemos mais a distinguir o que de fato é do que projetamos, acho que percebo mais hoje o quanto somos conectados na essência e talvez realmente a cura das relações venha a eclodir quando reaprendermos a nos relacionar conosco mesmo sem abusos... Como artista, cidadão, filho, homem e humano, sigo buscando sem medo dos erros, ou melhor, acolhendo os medos e erros também e dançando com eles (anima)... O espetáculo foi se configurando em um formato não-linear, por meio de pistas intuitivas, alimentado diretamente pelas minhas experiências pessoais e artísticas, pelos feedbacks ditos e não-ditos de cada um dos experimento feitos e o modo como os assuntos que recebiam o meu foco, foram se apresentando e falando por si só, numa espécie de caos simbiótico.

Assim, o experimento cênico transita entre outras linguagens além do teatro que compõem a minha formação artística como a dança, performance, meditação, desenho e poesia, deixando que flashes do inconsciente venham emergir diante de nós, o que é meu e o que é nosso, de acordo com o grau de abertura e percepção do público... Assim, ao reunir coragem para me deparar com a dor e o trauma destas figuras femininas feridas que misteriosamente sempre habitaram o meu mundo interno, me sinto mais próximo de um equilíbrio da minha energia masculina também, que se torna mais pura e desintentificá-se da figura doentia, superficial e abusiva propagada massivamente de como um homem deve ser e muitas vezes ainda é contraditoriamente cultuada, isso se clarifica a cada vez que avanço na compreensão do Yin, da "Anima"... Pois Yang é sempre o seu oposto e correspondente e vice-versa. É como se nascesse um novo homem, aprendendo com a MÃE em suas diversas faces, dentro e fora...

A aproximação do arquétipo maior da MÃE também tende a nos fazer rever a relação com o nosso planeta e ancestralidade, uma experiência de "reconciliação" que se aproxima da espiritualidade no sentido de consciência cósmica universal e não-religiosa. É neste "lugar", onde hoje eu sinto que a arte pode e deve atuar, pois sempre partiu de lá, não negando o Método e o racional, mas transcendendo para um campo mais sutil e livre, de onde talvez também brota a densidade do caminho fechado que tentamos abrir aqui... Para mim, este mergulho no universo feminino e suas dores e graça, não é outra coisa se não propor a transmutação do abuso, começando a ouvir estas mulheres primeiro em meu próprio universo interno e por meio da expansão de consciência, uma reconexão com a essência que clama por voz... 

“A ARTE NÃO É A IMITAÇÃO DA VIDA

Artaud quer portanto acabar com o conceito imitativo da arte. Com a estética aristotélica, na qual se reconheceu a metafísica ocidental da arte. ‘A arte não é a imitação da vida, mas a vida é a imitação de um princípio transcendente com o qual a arte (também pode) nos pôr em comunicação.’ Jaques Derrida” (Citação no Programa da peça Blanche de Antunes Filho)

Meus Desenhos Espôneos

http://www.ronidiniz.com.br/mae

RECOMPENSAS

As recompensas desta campanha tem o objetivo de disponibilizar aos doadores, oportunidades de vivenciarem um pouco do processo que originou o espetáculo e por meio destas vivências, talvez experimentarem a característica que a arte também tem de nos colocar em contato mais íntimo conosco mesmos, ao mesmo tempo em que pode nos despertar o senso crítico e autonomia.

Também foi uma estratégia para viabilizar um valor mais atingível, visto que outros tipos de recompensas materiais, geram novos custos que precisam ser preenchidos pela própria campanha aumentando o custo final.

  • Palestra: Processos Criativos...
  • Aula de Expressão Corporal
  • Aula de Teatro: criar 1 cena!
  • Vídeo Comigo no Youtube Canal OUTRAS LATITUDES
  • Desenho a Mão/outra Arte

Sozinhos somos um, juntos somos uma multidão! 

Espetáculo MÃE - Cena - Roni Diniz

A hora é agora! Contribua com
Espetáculo MÃE

Saiba mais sobre o criador desta campanha:

Facebook | Twitter | Site Oficial (Sinopse e Ficha Técnica) | Portfólio de Ator/Performer (CANAL Youtube) | Outras Latitudes (Meu Canal)

Conheça quem está à frente desta campanha

Roni Diniz
  Roni Diniz
  

Você acredita que essa campanha tenha conteúdo proibido? Reporte esta campanha.