Poeta no Equador

Livros – ,
Julio Almada I 5 dias

Traduzindo

Bom dia Pessoal

Em primeiro lugar, quero agradecer toda as contribuições e compartilhamentos do projeto. tive a oportunidade de participar de uma entrevista com A TV Cultura Alternativa e uma noticia sobre a campanha foi publicada na Revista Arara. Veja os Links:

Entrevista para o Cultura Alternativa

http://bit.ly/julio-daniel

Matéria na Revista Arara

https://arararevista.com/julio-urrutiaga-um-poeta-no-equador/

Também vale a pena comentar o seguinte: fiquei alguns dias sem publicar no mini blog pois estou organizando a tradução e já traduzi outro conto do caderno de ontem que fará parte do cuadernos de ayer:

Morte da morte e a morte da Vida

Em assuntos de amor são os loucos quem tem mais experiência. Sobre o amor, não perguntes nada aos sensatos: os sensatos amam sensatamente, o que equivale a nunca ter amado.
(Jacinto Benavente)

Não se morre de amor perdido. Simplesmente não se vive. Uma existência de raízes, na terra seca, consumidas. Aceitamos o óbvio da vida, o cíclico repetir de algo que nos entendia e é muito comum. Assim tenho visto a recusa do mais precioso e impreciso: O imprevisto do Amor, contendo todo o tempo não percebido.

Muerte de la muerte y muerte de la vida

No mueres de amor perdido. Simplemente no vives. Una existencia de raíces, en tierra firme, consumida. Aceptamos la obviedad de la vida, la repetición cíclica de algo que nos aburrió y es muy común. Así he visto el rechazo de lo más precioso e impreciso: Lo imprevisto del Amor, que contiene todo el tiempo no percatado.

Julio Urrutiaga Almada, Cuadernos de Ayer

Julio Almada I 3 semanas

Primeiro conto traduzido

O Caderno de Ontem nasceu do processo peculiar de trânsito por lugares públicos e a observação contínua. O Olhar vigia? Mais que vigilante, o olhar muitas vezes é vigilado. É tido como um assaltante incomôdo, íntimo de silêncios e golpes de espátula fina. E agora que nos sobra só o olhar. Porém, como olhar de espanto diante de tudo que muda sem essencialmente oferecer-nos uma mudança de atitude transformadora.
Traduzir é olhar novamente e lembrar do que foi nos remete a olhar reiteradas vezes.

Oficioso

Um sem número de contos, relatos, histórias, textos longos e curtos podem nascer do simples fato: Não esqueci de tudo que me aconteceu. Lembro e sai um mini conto. Esqueço. Amanhã o fato feito lembrança nasce como circunstância vivida pela personagem de um romance. Sou um contador de histórias: Pelo seguinte: Tenho excelente memória e, pasmem: muitos me contam sobre tudo que os passa.

Conto sem farpas nem farsas

É sempre preciso amor para compreenderes o que difere de ti.
(Gide)

Nossas mãos e o toque: barcos no mar: brisa nas folhas: primavera, outono, inverno, rigores, suavidade, verão, ardores? Que importa. Elas nunca mais se deixarão de tocar.

----------------------------------------------------------------------------------------------

Hoy día les presento, el primer texto traducido para nuestro libro Cuadernos de Ayer

Lo que hace en tí el chocolate

Estoy poseído por las ganas de tocarte nuevamente, de tener la feroz felina felicidad y saber que el tiempo se termina en sí mismo. Quiero deslizarme por el llamado de tus espaldas y atracar mí pecho en tu ávido modo de decir que la visa besa a nuestro encuentro tardío. Miráme desde la oscuridad de algún recuerdo y venga.
Mí luz espera a tú sonrisa.

Julio Urrutiaga Almada

Julio Almada I 4 semanas

Mais Contos do Caderno de Ontem

Boa Tarde meus amigos: durante esta semana que passou tivemos a adesão de mais um colaborador no processo de escrita coletiva.
Sigo precisando de apoio na campanha: Ofereço e-books e outras recompensas. Você terá a oportunidade de ler boa literatura e contribuir com a tradução ao espanhol de contos revisitados sob a ótica dos novos tempos.

https://www.kickante.com.br/campanhas/poeta-no-equador-1

Leia mais poemas e conheça um pouco da minha obra: www.julioalmada.net

Julio Almada I 1 mês

Lendo Dia Perfeito

Quero agradecer muito a todos os colaboradores da Campanha.
Preciso do apoio de todos para que mais pessoas conheçam a campanha e possam receber livros eletrônicos e participar do processo de nova escrita de um conto segundo as perspectivas e impactos da pandemia.

Hispanohablantes pueden colaborar y recibir el libro Aún Arde, además de participar del proceso de escrita colectivo.

Vídeos em espanhol e português podem ser vistos no canal:
https://www.youtube.com/channel/UCUErSKZMkh_sb1wavrWG7wg?sub_confirmation=1

Contos do Caderno de Ontem:

Um Sorriso quase sedutor

O verdadeiro amor não se conhece por aquilo que exige, mas por aquilo que oferece.
(Jacinto Benavente)
Nenhuma pessoa arrebata outra de igual maneira.
O rubor, a falta de ar ou a indiferença são sempre: distintas.
Algumas nos remetem a estados inexplicáveis de repulsa ou conformidade.
E Ela, não me arrebatou como a onda gigantesca na minha infância nem como a angústia de noites em claro.
Ela era a ilusão de um sorvete, amenizava a secura da língua provocando em seguida mais sede.
E a certeza de nenhuma saciedade, mas de toda delicadeza e perfeita profusão de belas formas.

-------------------------------------------------------------

A Mulher que não era companhia

O amor por uma pessoa deve incluir os corvos do seu telhado.
(Provérbio chinês)
Seus olhos periféricos: as dúvidas instalaram. Seu olhar fixo nunca respondeu minhas perguntas. E assim de espera em espera, meu afeto menor se fez, dissolvido nas intrínsecas objeções, de nosso destoar sincero.

Sigo os dias. Aguardo mudanças e não sou tocado. Seus toques evitam libertar-me. Se me toca, o faz, em retirada e, os dedos nem ao vento mais tímido se assemelham.

Esses dedos de carícias que insisto em não esquecer.

E agora seus olhos, o mesmo espelho e, eu diante de você, cada dia mais perdido entre a visão esperada e a que vejo.

Estranheza, partida, nenhuma carícia.

Julio Almada I 1 mês

Via Cruzes: a machado

O Livro Caderno de Ontem reúne 90 contos curtis e foi escrito em bares, cafés e lugares públicos. Nasceram da observação e filtro da sensibilidade e de um trabalho apurado de trânsito entre generos literários.
Já o Livro Poemas Mal_ditos(Poesia) nasceu do trânsito entre os fatos e a velocidade da vida. Fala de situações vividas e percepções dentra da ótica do que precisa ser dito nem sempre sai da forma exata ou adequada.
Assista o vídeo com o Poema via cruzes: a machado,um dos muitos relatos velozes do Poemas Mal_ditos.

Um Grande Abraço

Saiba mais no meu Site: www.julioalmada.net
Inscreva-se no canal: https://www.youtube.com/channel/UCUErSKZMkh_sb1wavrWG7wg?sub_confirmation=1