Abas primárias

Linn da Quebrada: A bixa pode fazer um pedido?

Música - São Paulo, SP
kicks
Arrecadados da meta de R$45.000,00
Campanha flexível

Esta campanha irá receber todas contribuições em 10/06/2017.

Recompensas

Pajubá

é linguagem de resistência, construída a partir da inserção de palavras e expressões de origem africanas ocidentais. É usada principalmente por travestis e grande parte da comunidade TLGB. Eu chamo esse álbum de pajubá porque pra mim ele é construção de linguagem. É invenção. É ato de nomear. De dar nome aos boys. É mais uma vez resistência.

Pra mim é muito importante conseguir materializar esse álbum por reunir nele uma série de ideias. Cada música pra mim é uma ação. E elas têm papel fundamental na minha própria vida. Eu sempre me perguntei se a vida imita a arte, ou a arte que limita a vida. E eu acho que existe uma retroalimentação de ambas as partes. E me incomodava muito não me sentir, mais do que representada, mas apresentada, nem nas novelas, filmes e também nas músicas que eu ouvia. Não era sobre mim que elas falavam. Eu não cabia ali. E então eu descomprometidamente começo a compor, a fazer músicas que contavam parte da minha história. E mais do que isso, começo a inventar, através delas, minha própria história também. Já que a arte não necessariamente apenas reproduz, mas também produz nossos afetos, relações, eu encontro na música uma ferramenta de produção e invenção e intervenção sobre as minhas relações.

Não canto histórias pra boy dormir. Mas grito para tirá-los do lugar. O corpo sempre foi algo que  me instigou. E eu sentia que esse era o lugar mais apropriado para se falar. A partir do meu corpo. Dos meus afetos, das minhas relações, dos meus desejos. E foi no corpo e pelo corpo que pude encontrar no que era apontado como fragilidade as minhas maiores potências. Como por exemplo, o feminino. E passo a falar a partir desse lugar. Bixa travesti, preta, da quebrada, filha de empregada doméstica. Aqui encontro minha potência. Encontro na minha pele preta o meu manto de coragem. Encontro no espelho a força de resistir. Encontro na música, voz. Encontro no funk poesia. Movimento. Me encontro comigo mesma. E encontro com outras solidões. E passo a perceber que não estava sozinha, que haviam muitas que também compartilhavam das mesmas sensações. E encontro e produzo força a partir do nosso encontro.

Eu enxergo na música essa capacidade de religar, de conectar. O funk já habita um lugar que me interessava que é o de justamente falar e produzir sobre sexualidade. E eu queria produzir um espaço que fosse de intervenção sexual. Onde não mais continuássemos voltadas somente ao macho. Mas que pudéssemos construir entre nós uma rede de apoio e fortalecimento - entre o feminino - independente de em que corpo estivesse localizado. Uma rede de apoio emocional, psicológica, sexual e até econômica.

E eu acredito muito nisso. Acredito muito nas minhas músicas, por isso tenho tanta vontade de ver esse álbum ser realizado. Para que outras pessoas possam ouvir e que ele seja motor de outras ações. Eu não sou cantora, eu estou cantora. Faço música pra ser ouvida. Faço isso por mim mesma. Como se cantasse pra salvar minha própria vida. E é por acreditar nessa rede de apoio que acredito que podemos construir esse albúm juntas. Cada uma do seu território, como pode. A partir do momento que isso está no mundo já é nosso. Eu não sou uma diva. E não quero construir isso sozinha. Produzir música é caro, mas juntas podemos somar nossas forças e dividir as responsabilidades e fazer disso nosso ponto de encontro. 

tá bonita? tá barata!  recompensa: pecadinho de neca

recompensa: talentuein?  recompensa: vam'bater um papo reto?

recompensa: pirigoza  recompensa: bixistranha

recompensa: pode vim cola junto as transviadas as sapatão  recompensa: e ai as bixa fico maluca - bocket show

                                            recompensa: pisa menos, Linn. Eu Imploro! - Bocket Show

Linn da Quebrada

Conheça um pouco da história da Linn da Quebrada

Bixa, trans, preta e periférica. Cantora, bailarina e performer, Linn encontrou na música - em específico, o funk - uma poderosa arma na luta pela quebra de paradigmas sexuais, de gênero e corpo. Em 2016, a artista lançou os singles “Talento” e “Enviadescer” e neste ano ela abre as atividades com a música “Bixa Preta”. Além disso, se prepara para o lançamento de sua experimentação audiovisual “blasFêmea” enquanto divulga a campanha de financiamento coletivo para a produção de seu próximo projeto, o álbum Pajubá. Nos shows, Linn da Quebrada é acompanhada pela cantora e persona Jup do Bairro, o percussionista Valentino Valentino e pelo DJ Pininga.

Heey, psiu! vc ae mana afrontosa. Bora colaborar?


A hora é agora! Contribua com
Linn da Quebrada: A bixa pode fazer um pedido?

Saiba mais sobre o criador desta campanha:

Facebook | Twitter | YouTube | Instagram | Site

Conheça quem está à frente desta campanha

MC Linn da Quebrada
  MC Linn da Quebrada
  

Você acredita que essa campanha tenha conteúdo proibido? Reporte esta campanha.